Sustentabilidade e ESG / Formação Online por Videoconferência - IFB

Contacto

Ana Margarida Soromenho
Telefone
217916274
E-mail
a.m.soromenho@ifb.pt
QR Code

Data

A agendar

Horário

18:00 - 20:30

Metodologias

Online por Videoconferência

Sustentabilidade e ESG / Formação Online por Videoconferência

As melhores práticas de gestão ESG (Environmental, Social and Governance) abrem claras possibilidades para a geração de mais valor, tanto para os bancos e para os seus acionistas, como para os outros stakeholders e mesmo para a sociedade como um todo.
O ESG vai muito para além das questões ambientais e de sustentabilidade, abrangendo também os aspetos sociais e de governance, ou seja, muito dos aspetos não-financeiros das instituições financeiras.

 

ENQUADRAMENTO

As questões da sustentabilidade e ESG (Environmental, Social and Governance), que foram durante muitos anos consideradas periféricas para as empresas e para o sector financeiro, estão cada vez mais a assumir o centro do planeamento estratégico.

Para uma Instituição Financeira, o sucesso de longo prazo do negócio passará a estar intrinsecamente relacionado com a velocidade de adoção de uma estratégia que integre os aspetos ESG.

Muitas vezes o termo ESG é utilizado como sinónimo de questões ambientais e de sustentabilidade. Apesar de essas questões serem um dos elementos importantes do ESG, o termo tem atualmente um significado muito mais amplo, abrangendo também os aspetos sociais e de governance, ou seja, muito dos aspetos não-financeiros das instituições financeiras.

Estes temas têm, nos últimos anos, merecido cada vez maior atenção de investidores e reguladores. Para os investidores, o ESG tem apresentado um crescimento elevado dos ativos sobre gestão e criado uma multiplicidade de classificações e estratégias, cada vez mais disseminadas. Por outro lado, os reguladores, em consonância com as decisões políticas mundiais, têm desenvolvido e continuam a desenvolver, um enorme esforço nesta área, para atingir os objetivos definidos de alto nível e que terão um impacto estrutural em todo o sector bancário. Este enorme desenvolvimento regulamentar vai, por si, exigir um elevado esforço de resposta por parte das Instituições Financeiras.

Assim, quase todas as áreas da Banca, incluído o investimento, a relação com o cliente, a gestão de risco e o reporting vão ser afetadas pelas múltiplas iniciativas em curso nesta área.

 

OBJETIVOS

Com esta formação pretende-se dotar os formandos da capacidade de:

  • Definir o ESG e a sua importância para a Banca.
  • Identificar e descrever as principais iniciativas regulamentares atualmente em curso ou em preparação na área do ESG.
  • Enquadrar as atividades económicas na Taxonomia Verde definida pela UE.
  • Perspetivar o impacto estratégico do ESG para a Banca.

 

DESTINATÁRIOS

Colaboradores de instituições financeiras em geral, de bancos em particular, que pretendam conhecer melhor o impacto da sustentabilidade e do ESG na sua atividade.

 

PROGRAMA

  1. Definição de ESG
  2. Importância do ESG
  3. Acordo de Paris e outros antecedentes
  4. Programa para a transição Verde – Comissão Europeia
  5. Taxonomia Verde
  6. Produtos financeiros com características ESG
  7. Planos de Investimentos para a Europa Sustentável
  8. Benchmarks ESG
  9. Ratings ESG
  10. Requisitos Prudenciais
  11. Sustainable Finance Disclosure Regulation (SFDR)
  12. Governance

 

DURAÇÃO:  7h30 (3 Sessões de 2h30)

 

HORÁRIO:  18h00 – 20h30

 

FORMADOR: João Senos Gonçalves

É Master in Finance pela London Business School e licenciado em Gestão e Administração de Empresas pela Universidade Católica Portuguesa.

Tem uma experiência de mais de 20 anos na Banca, tendo passado pelas áreas de Contabilidade, Gestão de Risco, desempenhando funções como Diretor destas áreas e como Diretor Geral de uma Unidade de Serviços Partilhados de um Grupo Financeiro. Tem igualmente experiência como consultor numa empresa multinacional da área da Banca. Foi responsável por vários projetos na área da Contabilidade e Gestão de Risco, incluindo o change-over para as Normas Internacionais de Contabilidade e implementação de Basileia II.

Participou como orador em várias conferências sobre Gestão de Risco.

 

Tags: