T. +351. 217916200Bolsa FormadoresSite APB

África

A colaboração com os países africanos lusófonos foi iniciada ainda na fase da Associação de Formação Bancária em 1983. Todavia, foi a partir de 1991 que a atividade do Instituto de Formação Bancária nos PALOP passou a desenvolver-se com maior abrangência e de modo sustentado. Efetivamente, as mutações político-económicas ocorridas naqueles países determinaram a necessidade de uma banca comercial atuante, consentânea com as exigências da economia de mercado que se pretendia implantar. Assim, os respetivos bancos centrais solicitaram à Associação Portuguesa de Bancos a colaboração do IFB na definição e realização de ações de formação para os profissionais dos seus sistemas financeiros.

A cooperação do IFB com os PALOP (Angola, Moçambique, São Tomé e Príncipe, Guiné-Bissau e Cabo Verde) norteou-se por três vectores essenciais:

  • Transferência de know-how;
  • Apoio à criação de estruturas locais de formação permanente;
  • Prestação direta de serviços de formação a instituições bancárias locais.

O IFB organizou de 2001 a 2014, em Lisboa, o Curso Integrado de Gestão Bancária, em que participavam, durante 3 meses, profissionais bancários de Angola, Moçambique, São Tomé e Príncipe, Guiné-Bissau, Cabo Verde e Timor Leste. Nas 13 edições deste curso participaram 356 profissionais dos sectores bancários dos referidos países.

Angola

Em Angola, após contactos prévios entre o IFB e o Banco Nacional de Angola, em 1991, o Instituto foi selecionado, juntamente com outras organizações internacionais, para apresentar um projeto de estudo visando a criação e arranque do Instituto de Formação Bancária de Angola (IFBA). A proposta do IFB acabaria por vencer o concurso internacional, tendo assegurado a assistência técnica ao IFBA durante o seu primeiro ano de atividade (1995-1996).

Já depois de prestar este apoio inicial, foi mantida a ligação entre as duas instituições, através do fornecimento de manuais e outro material pedagógico destinado a ações realizadas pelo IFBA.
O IFB foi ainda selecionado para elaborar um plano de formação com a duração de cinco anos, entre 1993 e 1997, para todos os bancos angolanos e respetivos funcionários, plano esse elaborado após uma detalhada avaliação das necessidades de formação, e sempre em cooperação com as direções dos bancos.

No âmbito do Ministério do Planeamento de Angola e Banco Nacional de Angola (BNA), financiado pelo Banco Mundial, o Instituto de Formação Bancária ganhou um concurso público para desenvolver um projeto que se iniciou em novembro de 2008 e terminou em maio de 2009.
Este projeto teve como objetivo a avaliação da capacitação técnica e de gestão do Instituto de Formação Bancária de Angola (IFBA) e proposta de  um novo modelo organizacional, bem como um novo Programa de Formação.

Em resultado deste projeto, em janeiro de 2014 o IFBA – Instituto de Formação Bancária de Angola e o IFB-Portugal celebraram um contrato de assistência técnica ao IFBA que tem um tempo de execução de dois anos e como principal objetivo a requalificação do IFBA e a sua preparação para, a curto prazo, atuar de forma eficaz no mercado angolano de formação profissional dos empregados bancários e dos candidatos ao exercício da profissão bancária.

O IFB participou, também, de 2009 a 2013,  num projeto na área da supervisão bancária, para o Banco Nacional de Angola (BNA), como membro de um consórcio liderado por outra instituição.

Para além dos projetos mencionados, o IFB, desde 2006, tem prestado em continuidade, serviços de formação a diversos bancos locais mediante pedidos de formação com adjudicação direta às respetivas instituições.

 

Cabo Verde

Cabo Verde esteve associado ao Curso Regular de Formação Bancária no inicio dos anos 90. Em 1998, de novo por mérito do ensino a distância, teve um pólo do curso de Gestão Bancária do ISGB.

Para além de cursos específicos para gerentes de delegações bancárias, o IFB implementou, neste país, dois projectos do Banco Mundial na área da formação para o sector bancário, entre 1997 e 1999, intitulados, respectivamente, Feasibility Study and Evaluation of Financial System e Capacity Building for the Private Sector Promotion.

Em 2003, o Instituto de Formação Bancária organizou em Cabo Verde um curso de Crédito a PME's e Risco de Crédito, na sequência de contactos do Banco Mundial, através do Project Development Facilility da International Finance Corporation (IFC), em Abidjan.

Desde 2007 o IFB tem desenvolvido com regularidade ciclos de formação para várias instituíções locais.

 

Moçambique

Em Moçambique, o Instituto de Formação Bancária desenhou e executou, em 1992, um programa de formação de quadros com a duração de três meses para o Banco Comercial de Moçambique, com 500 participantes, entre supervisores e empregados administrativos.
No ano seguinte, o IFB desenvolveu um vasto programa de formação, novamente para o Banco Comercial de Moçambique, concluído em 1994, ano em que se iniciou um novo estudo para a implementação de um projecto de ensino a distância, com a duração de três anos, destinado aos funcionários bancários de Moçambique.
O Instituto ganhou ainda um concurso internacional, promovido pelo Banco Mundial, visando a aplicação de um programa de formação em Commercial Bank, no contexto do projecto Financial Sector Capacity Building Credit Project. O programa contou com duzentos participantes – gestores de topo e seniores –, num período de 130 dias.

 

Guiné-Bissau

A colaboração com a Guiné-Bissau foi iniciada em 1983, ainda na fase da Associação de Formação Bancária, ano em que foi estabelecido um esquema de cooperação com o Banco Central daquele país, tendo em vista o levantamento de necessidades de formação e a subsequente realização de Cursos de Formação de Base.
Foram também desenvolvidos vários programas de treino pelo IFB, de acordo com o prévio levantamento das necessidades de formação, e elaborados cursos para quadros, supervisores, técnicos e pessoal administrativo. Os contactos entre a Guiné-Bissau e o IFB continuaram, tendo em vista o planeamento de novos cursos, para dar sequência aos cursos já realizados.
Em 1995, o Instituto foi convidado a prestar apoio ao lançamento da Associação de Formação Bancária da Guiné-Bissau, tendo preparado o seu programa de formação para 1996.
Em parceria com a Associação Profissional de Bancos da Guiné-Bissau, decorreu em 2009 uma acção de formação subordinada ao tema: Relação com o Cliente – Desenvolvimento de Competências Comerciais e de Gestão de Conflitos.

 

São Tomé e Príncipe

Em 1984, foi definido e concretizado pela então Associação de Formação Bancária um programa de formação para o Banco Nacional de S. Tomé e Príncipe.
Mais tarde, já em 1998, criou-se um pólo do Curso Regular do Instituto de Formação Bancária em São Tomé e Príncipe, com base, mais uma vez, nas vantagens da metodologia do ensino a distância.